15 de julho de 2008

COLÓQUIO MILTON SANTOS.2

"O local e o global no pensamento de Milton Santos: Educação, Cultura e Geografia Cyber-humana".

VEJA PROGRAMAÇÃO ABAIXO (novo!)

Data: 25 de agosto de 2008 (manhã e tarde), em Salvador/Bahia.

Local: Manhã: Instituto Anísio Teixeira (IAT), Av. Paralela.
Tarde: Faculdade de Comunicação (Facom), campus UFBA/Ondina.

Inscrições: De 18 de julho a 22 de agosto, via internet. E-mail: coloquioms2@gmail.com ou http://www.sec.ba.gov.br/iat/.

“Não existe um espaço global, mas, apenas, espaços de globalização. O mundo se dá, sobretudo, como norma, ensejando a espacialização, em diversos pontos, dos seus vetores técnicos, informacionais, econômicos, sociais, políticos, culturais.São ações ‘desterritorializadas’, no sentido de teleagidas, separando, geograficamente, a causa eficiente e o efeito final”. (Milton Santos, A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção, 1996, p. 271.)

PALESTRANTES CONVIDADOS ESPECIAIS
Reitor Naomar Almeida Filho (foto), da Universidade Federal da Bahia (UFBA).
. Professora Maria Auxiliadora, Instituto de Geociências/UFBA.
. Professor Márcio Cataia, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
. Professor Alcindo José de Sá, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
. Professor Aldo Dantas Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).


O evento é organizado pelo Grupo de Pesquisa Permanecer Milton Santos/UFBA, em parceria com o Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, com o Instituto Anísio Teixeira da Secretaria Estadual de Educação da Bahia (IAT), e com a UFRB - Universidade Federal do Recôncavo Baiano, através do Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL) e do Núcleo de Estudos em Sociedade, Poder e Cultura (Nespoc). O evento, na parte da manhã, durante palestras dos convidados especiais, será transmitido por videoconferência para todo o Estado da Bahia, a partir do auditório do IAT na Avenida Paralela (Salvador).

Os inscritos poderão submeter trabalhos (ensaios, artigos) ou participar como ouvintes. Os textos aprovados podem ser publicados como capítulos de livro, a exemplo do livro a ser lançado agora em 2008 com textos apresentados no 1º Colóquio.

Submissão de trabalhos:
Para submissão de trabalhos aos GTs relacionados aos eixos do tema (Educação, Cultura e Geografia Cyber-humana): Texto de no máximo 18.000 caracteres incluindo espaços, na fonte Times New Roman, corpo 12. Os textos aprovados serão apresentados por seus autores nos GTs que acontecerão apenas no período da tarde, na Facom.

Participação como ouvinte:
É necessária inscrição por e-mail ou pelo site do IAT (especialmente professores da rede pública).

Assista ao vídeo: A visão de Milton Santos sobre a Sociedade Global

video

P R O G R A M A Ç Ã O

Manhã: Auditório do IAT
8h30 – Abertura por representantes do IAT e do Grupo de Pesquisa Permanecer Milton Santos, e instalação da mesa de videoconferências.

Coordenação: Prof. Maria Auxiliadora Silva (UFBA).

9h às 10h30 – Videoconferências: Prof. Naomar Almeida Filho (Reitor da UFBA) e Prof. Alcindo José de Sá (UFPE).
10h30 às 12h – Videoconferências: Prof. Aldo Dantas Silva (UFRN) e Prof. Márcio Cataia (Unicamp).

12h às 12h30 – Lançamento do livro Educação, Comunicação e Globalitarismo (Edufba, 2008).

12h30 às 13h30 – Almoço.
13h30 às 14h – Deslocamento para a Facom.

Tarde: FACOM (Ondina)
14h30 às 16h30 – Instalação dos Grupos de Trabalho (GTs) para discussão dos temas, em salas específicas.
16h45 – Plenária com a síntese das discussões dos GTs, no auditório da Facom.
17h30 – Mesa Redonda final (convidados a confirmar).
18h30 – Atividade cultural em memória de Milton Santos.
19h – Coquetel de encerramento.

LEIA A MEMÓRIA DE 2007:Colóquio Milton Santos no Noblat

O texto abaixo foi retirado do blog do Ricardo Noblat, um dos mais bem sucedidos jornalistas do país, que mantém um blog sobre política no portal do jornal O Globo


Permanência de Milton Santos

Quando foi anunciada a morte do professor Milton Santos, em um hospital de São Paulo, na tarde de 26 de junho de 2001, eu estava na reitoria da Universidade Federal da Bahia, onde meses antes ele ministrara a aula inaugural mais empolgante que já vi. A fala fora interrompida inúmeras vezes pelos aplausos ardentes de estudantes e mestres que lotavam todas as dependências do auditório do prédio solene do bairro do Canela , invadido esta semana por agentes da Polícia Federal, para retirar alunos que o ocupavam há mais de 40 dias, por desentendimentos com o reitor.
Foi tamanho o impacto causado pela notícia na Bahia e no País inteiro, dentro e fora dos muros da academia, que logo me veio à mente um velho ditado chinês, que diz mais ou menos assim: há mortes que pesam menos que uma pluma, mas há outras que pesam toneladas.

O cidadão geógrafo, como gostava de ser chamado o baiano de Brotas de Macaúbas ganhador do Prêmio Vautrin Lud (espécie de Nobel da Geografia), enquadra-se seguramente no segundo caso. Milton Santos, no entanto, vai muito além. Ele faz parte de rara galeria de personalidades para as quais não existem balanças com capacidade de tonelagem suficiente para medir o peso completo de perdas como a dele. No Brasil atual, essa é uma verdade mais evidente a cada dia.

Na próxima semana, dia 23, Salvador será a sede do "Colóquio Milton Santos", promovido em conjunto pelo Instituto Anísio Teixeira (IAT) e o grupo Permaner Milton Santos da Faculdade de Comunicação da UFBA, onde seguramente o fenômeno se evidenciará de novo. Haverá, é certo, um toque de saudade no campus, como é de praxe em território de tanta influência ibérica. Mas, seguramente, o que prevalecerá nas exposições e debates é o notável sentido de atualidade e permanência de tudo que Milton Santos falou, ensinou e defendeu do começo ao fim de uma existência invulgar.

Professores e pesquisadores como Samira Peduti, da Unesp; Marcio Antonio Cataia, da Unicamp; Maria Auxiliadora da Silva e Clímaco Dias (IGEO-UFBA) , estão entre os principais expositores e debatedores do pensamento de Milton Santos nesse Colóquio na terra do geógrafo, que tem dívidas impagáveis com a sua memória. Assim como a UFBA, a universidade onde ele estudou, ensinou e ajudou a projetar, mas de onde foi arrancado da cátedra para a cadeia em tempos temerários e forçado a buscar asilo fora do país para continuar ensinando e para manter a família com a dignidade de que jamais abriu mão.

MS, como registra a professora Maria Adélia da Souza, foi um exilado político, mas, ao contrário de muitos, nunca tirou proveito disso: “jamais se comportou como vitrine do regime militar”. Comeu o pão que o diabo amassou para se estabelecer e principalmente para reingressar na vida e nas universidades brasileiras. De volta do exílio, detentor do maior prêmio mundial da geografia, “Milton se instala não como herói que volta carregado nos braços do povo. Difícil, cautelosa e profundamente vai se impondo como um dos principais pensadores e intelectuais brasileiros”, resume Maria Adélia.

Apesar da profundidade e da complexidade do seu pensamento, MS tinha extraordinária capacidade de comunicação e de amplificar o alcance e a absorção de suas idéias e propostas para um público inimaginável, muito além dos jardins da academia. Quem não recorda da espantosa repercussão da entrevista ao programa Roda Viva, em 1998, três anos antes da sua morte?

Naquela noite, registram jornais e acadêmicos seguidores de MS, todas as linhas telefônicas da emissora, em São Paulo, ficaram congestionadas, com ligações feitas de todas as partes do País. Eram pessoas emocionadas, que queriam fazer perguntas ou simplesmente agradecer pelo programa que acabavam de assistir. É isso o que também se projeta, por exemplo, no público que assiste ao documentário cinematográfico de Silvio Tendler, produzido a partir da última entrevista do professor ao cineasta.

O Colóquio do dia 23, na capital baiana, tem como um dos principais responsáveis o professor de Comunicação da UFBA e amigo pessoal, Fernando Conceição, a quem Milton Santos autorizou escrever a sua biografia antes de morrer. Os depoimentos serão elementos preciosos para o trabalho e os debates irão girar em torno de três temas fundamentais na obra e na vida do mestre brasileiro: educação, comunicação e globalização.

Em cada um deles, MS fincou marcas decisivas de quem não se cansava de proclamar que o intelectual existe para causar desconforto, é esse o seu papel, e ele tem que ser bastante forte sozinho para exerce-lo. Pouco antes de partir, ele afirmou: “Não há nenhum país mais necessitado de verdadeiros intelectuais, no sentido que dei a essa palavra, do que o Brasil”.

Seis anos depois do seu desaparecimento, a sentença de Milton Santos ainda queima como brasa acesa.

Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitors.h@uol.com.br