31 de março de 2011

Colóquio Milton Santos .3


Participe!

 AS INSCRIÇÕES ESTÃO ABERTAS ATÉ O DIA
05 de maio de 2011

Abertura na Reitoria da UFBA, dia 06 de junho, às 19h.

Seqüência: dia 07 de junho, no auditório do Instituto Anísio Teixeira - IAT (manhã) e no auditório da Faculdade de Comunicação - Facom/UFBA (tarde).

Envie a sua proposta de trabalho (com até 16 mil caracteres, com espaço) com nome completo, instituição, formação escolar e os motivos pelos quais deseja participar para o email:  mestremiltongrupo@gmail.com

Indique um dos grupos de trabalho listados abaixo para enquadrar a sua proposta.

Grupos de Trabalho:

1. Políticas públicas orientadas à Cultura;
2. Transformações do espaço geográfico;
3. Novas tecnologias e sociabilidade;
4. Sou camelô, sou do mercado informal.


Após a realização dos debates, os participantes terão um novo prazo para conclusão dos seus artigos.

Para participar como ouvinte envie mensagem até o dia 05 de maio de 2011, para o email:  mestremiltongrupo@gmail.com com nome completo, instituição, formação escolar e os motivos pelos quais deseja participar.


SERVIÇO:

O quê: Colóquio Milton Santos;

Quando: 06 e 07 de junho de 2011;

Onde: Reitoria da Ufba (abertura), auditório do Instituto Anísio Teixeira (mesa de debates) e auditório da Faculdade de Comunicação da Ufba (grupos de trabalho).

4 comentários:

O Negro No Brasil disse...

Economia verde e amarela
(*) Rodrigo Rollemberg

O último relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) sobre a “economia verde” traça um quadro muito interessante sobre as potencialidades desse novo paradigma econômico. Com efeito, tal documento, intitulado “Rumo a Uma Economia Verde: Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza”, contém avaliações alentadoras da imprescindível transição que o mundo deverá fazer de uma economia “carbonizada” e predatória para uma economia limpa e sustentável.

O relatório parte de uma constatação que já é óbvia: a economia baseada no carbono, também chamada de “economia marrom”, é insustentável. Tal insustentabilidade não se refere apenas à área ambiental, mas também à área social e à própria racionalidade econômica de longo prazo. De fato, a economia marrom vem esgotando recursos ambientais estratégicos, como a água doce, destruindo a biodiversidade, concentrando renda e riqueza, produzindo escassez de alimentos e inviabilizando o desenvolvimento de longo prazo. Diga-se de passagem, o esgotamento desse modelo está na origem dos atuais conflitos políticos do Oriente Médio.

Apesar disso, o relatório do PNUMA é otimista quanto à viabilidade da mudança de paradigma econômico. Tal otimismo está embasado em duas grandes conclusões do documento.

A primeira delas tange ao dinamismo superior da economia verde. Durante muito tempo, desenvolvimento e qualidade ambiental foram encarados como antinômicos: ou se crescia e se gerava empregos ou se preservava o meio ambiente. Pois bem, a conclusão do relatório é a de que a economia verde tende a ser mais dinâmica e a gerar mais empregos do que a economia marrom. Conforme as simulações feitas, um investimento de apenas 2% do PIB mundial em economia verde geraria crescimento maior do que aquele previsto no cenário mais otimista para a economia marrom, ao longo do período 2011-2050.

A segunda conclusão diz respeito ao fato de que a economia verde é fundamental para o combate à pobreza. Ela teria capacidade maior de gerar empregos e renda para a mão de obra de baixa qualificação. Os investimentos na agricultura de pequena escala, na reciclagem dos resíduos, nos serviços ambientais, no reflorestamento, nas energias renováveis, na construção de prédios mais eficientes, no turismo, no transporte menos poluente, entre outros setores, poderiam gerar ocupação e renda para um enorme número de trabalhadores, especialmente para os mais pobres.

Portanto, a economia verde poderia mudar a face do planeta, aumentando a nossa qualidade de vida, sem sacrifício do crescimento econômico. Assim como os investimentos no Estado de bem-estar social alteraram a face do capitalismo ao final da Segunda Guerra Mundial, os “investimentos verdes” poderiam acelerar a recuperação econômica e contribuir para que as Metas do Milênio propostas pela ONU sejam atingidas. A transição para a economia verde apresenta, desse modo, mais oportunidades do que riscos.

Para o Brasil, a economia verde poderia intensificar muito o processo de crescimento econômico com inclusão social iniciado há alguns anos. Nosso potencial é evidente. Temos um capital natural inigualável, com imensa biodiversidade e abundância de recursos estratégicos, e liderança em energias renováveis e na reciclagem de resíduos (destacada no relatório). Estamos controlando o desmatamento e ocupando lugar destaque, com nova atitude propositiva, no debate mundial sobre meio ambiente. Nossa grande debilidade continua a ser a falta de inovação tecnológica, já que o conflito entre preservação e desenvolvimento só será efetivamente superado com a geração massiva de tecnologias limpas.

O Negro No Brasil disse...

Continuação do texto acima:

Na qualidade de presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) do Senado, pretendo iniciar um amplo debate estratégico sobre as perspectivas da economia verde no Brasil. Propostas para “verdejar” o PAC e introduzir contrapartidas ambientais nos programas de transferência de renda precisam ser discutidas.

Na escola nos ensinavam, embora isso não fosse historicamente correto, que o verde da nossa bandeira simbolizava a natureza e que o amarelo simbolizava as riquezas do Brasil. Temos agora de entender que a nossa grande riqueza é verde e que, neste século decisivo para o futuro do planeta, a economia brasileira, a economia verde e amarela, tem tudo para liderar a mudança do paradigma de produção e consumo.



* Rodrigo Rollemberg é senador pelo PSB do Distrito Federal e presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) do Senado
rodrigo@rollemberg.com.br

Fernando disse...

Parabéns ao colóquio Milton Santos .3 e a Universidade federal da Bahia por essa iniciativa de abrir para o coletivo da humanidade a possibilidade de interagir com a obra do cientista, professor, geógrafo e advogado Milton Santos.
Essa obra é minha, tua e vossa.
Os nossos professores das várias universidades brasileiras tem esquecido sistematicamente o direcionamento da obra a população brasileira e dentro da universidade de Brasília essa discussão é pouco feita. Faço um apelo aos nossos professores uma maior divulgação dos seus ideais e a dedicação desse inesquecível professor.

Hugo Chávez disse...

Revolução Quilombolivariana! REQBRA
e o verdadeiro povo brasileiro apóia e é solidaria ao grande líder libertador Muammar Kadafi na luta e soberania do povo líbio ao contrario da mídia e a elite dominante fascista e judaica sionista brasileira,que apóia e torce por Hordas imperialistas piratas predadores assassinos dos EUA e OTAN, querendo colonizar a África e saquear o petróleo da Líbia,o Pré-sal e Amazonas do Brasil. muammarkadafibrasileiros.blogspot.com MK.BRASIL.LEIROS@BOL.COM.BR
Viva Zumbi! Viva Brasil Venceremos!
Ao Nosso Povo! Viva Libia Viva Brasil l! Venceremos!
Revolução Quilombolivariana e bradaram Vivas! a Simon Bolívar Viva! Zumbi! Tupac Amaru! Benkos BiojoS! Negra Hipólita! Sepé Tiaraju Alicutan! Sabino! Elesbão! Luis Gama, Lima Barreto,Cosme Bento! José Leonardo Chirinos ! Antônio Ruiz,El Falucho! João Grande e Pajeú ,João Candido! Almirante Negro! Patrice Lumumba! Viva Che! Viva Martin Luther King! Malcolm X! Viva Oswaldão Viva! Mandela Viva! Luiz I.Lula da Silva, Viva! Chávez, Vivas! a Evo Ayma! Rafael Correa! Fernando Lugo!José Mujica(El Pepe)!FViva! a União dos Povos Latinos afro-ameríndios,! Viva Dilma! Muammar Kadafi!
1º de maio 2011 - 3º Ano Viva! REQBRA!
Os Trabalhadores do Brasil e de todos os povos irmanados.
Movimento Revolucionário Socialista (Seja um,uma) QUILOMBOLIVARIANO quilombonnq@bol.com.br
Organização Negra Nacional Quilombo
O.N.N.Q. Brasil .Fundação 20/11/1970
Por Secretário Geral Antonio Jesus Silva