24 de outubro de 2010

Globalização X cultura local: dilema?

Esse texto suscita um debate atual sobre a questão da diversidade cultural. É um embate travado principalmente entre os EUAs, que prega o livre comércio dos produtos e bens culturais, e a França, que tende a adotar ações mais preservacionistas com relação a cultura local. Nesse sentido, um marco normativo em defesa do respeito a diversidade cultural e que teve influência da articulação política brasileira é a Convenção sobre a proteção e a promoção da Diversidade das Expressões Culturais. 

Vale a pena acompanhar o texto!

 

Globalização X cultura local: dilema?

Um dos principais argumentos dos que advogam contra a globalização é que este fenômeno coloca em xeque a cultura local. Claro que há lógica econômica nesse argumento. Afinal, grande parte da difusão cultural hoje se dá por meio das mais diversas formas de mídia. Portanto, quanto maior a capacidade de reprodução em massa, maior a diluição do custo fixo e mais competitivos se tornam os países grandes produtores.

Com isso em mente, e com a hipótese razoável de que as pessoas gostam de variedade cultural, a política de taxação de produtos culturais estrangeiros, ou a imposição de quotas para a veiculação de mídia de fora tem potencial para melhorar o bem estar da sociedade. Ocorre que um recente estudo sobre o mercado mundial de música mostra que a cultura local não perdeu espaço nos últimos 50 anos de globalização. Vejamos mais detalhes.

Este mês dois professores da Escola de Negócios de Wharton, Ferreira e Waldfogel, publicaram estudo que compilou dados sobre a posição de músicas nas paradas de sucesso de 22 países, inclusive o Brasil, nos últimos 50 anos. A partir desses dados, os professores tentam responder a uma série de perguntas, dentre elas se a globalização deslocou a produção de música local, o quanto a distância entre países tanto em termos geográficos como em termos lingüísticos afeta o comércio cultural, se as novas tecnologias, como a internet e os canais de televisão especializados em música, tiverem impacto sobre o padrão de consumo de músicas. E, por fim, se a política de quotas de tempo de rádio para cultura local, implementada por países como França, Canadá, Nova Zelândia e Austrália, tem impactos sobre o consumo de músicas.

Respondendo de trás para frente, os dados mostram com clareza que quotas para músicas locais nas rádios aumentam a preferência por produção doméstica – a política é bastante efetiva. A distância geográfica é bem relevante para a importação de música, assim como ocorre no comércio de bens, apesar de os custos de transação serem muito pequenos nesse caso. A idéia é que a distância geográfica não tem impacto significativo na oferta (custo) do bem, mas maior distância implica menor contato com a cultura e, portanto, menos preferência por ela. A lógica para a proximidade lingüística é a mesma, como os dados comprovam.

Tudo isso é interessante, mas ao meu ver o principal valor do estudo é a descoberta de que, após 50 anos de globalização, o consumo de música local continua na faixa dos 70% na média de todos os países da amostra. No Brasil, esse número era de 60% na década de 60 e continua em torno do mesmo patamar.

Ocorre que a situação de hoje, comparada com a década de 60, não caracteriza, a dinâmica que teve a questão. Na verdade, a parcela de música local caiu na média em todo mundo para menos de 50% até meados dos anos 80. A tendência só começou a se reverter com a criação das MTVs locais, já que essas canais passaram a levar a produção cultural doméstica para a sala de tv das pessoas.

Antes disso havia apenas uma MTV, que ampliou em muito a difusão da música produzida na Grã-Bretanha, mais até do que a música americana.

Outra inovação tecnológica que contribuiu para reverter o processo foi a internet. A distribuição de músicas na rede mundial diminuiu o custo de divulgação de músicas pelos artistas locais. É isso mesmo, como mostram Gaspar e Glaeser (1998), a internet é um complemento à aglomeração física. A rede não encurta apenas longas distâncias, mas também reduz ainda mais as distâncias pequenas.

Enfim, o estudo é uma resposta elegante à preocupação que o ex-presidente francês François Miterrand externou na Rodada Uruguai, em 1993, quando se discutia a liberalização do comércio mundial. Naquela ocasião ele dizia: “ Se o espírito da Europa não é mais ameaçado pelas máquinas totalitárias (...), é ameaçado por seus novos senhores – mercantilismo, poder do dinheiro e da tecnologia. (...) O que está em questão é o direito de cada pessoa a sua própria cultura (...)”. Na verdade, ao que parece, as novas tecnologias estão revertendo o processo de concentração da produção cultural criado após o fim da 2ª Guerra Mundial.

Igor Barenboim Ph.D. em economia por Harvard e Subsecretário de Administração do Rio de Janeiro


Postado por Loran Santos

9 comentários:

gefranco disse...

Parabéns Universidade Federal da Bahia e ao grupo de pesquisa Permanecer Milton Santos, pelo exercícios do pensamento das ideias do movimento no espaço dentro do espaço no território,do laboratorio de Geormofologia e estudos regionais(Epistomologia e Epistemologico)
Estudante de Engenharia Florestal da Universidade de Brasilia, Geórgia Franco

O Negro No Brasil disse...

Esse comentario foi postado no nosso blog onegronobrasil1980.blogspot.com, solicitamos uma analise do grupo de pesquisa permanecer Milton Santos.

"Feliz Ano Novo Familia Afrobrasileira

QUILOMBO O.N.N. Q 20/11/1970 -- 2010/ 40 ANOS Revolução Quilombolivariana! REQBRA
NEGROS AFRO-DECENDENTES BRASILEIROS

Manifesto da Revolução Quilombolivariana vem ocupar os nossos direitos e anseios com os movimentos negros afro-ameríndios e simpatizantes para a grande tomada da conscientização que este país e os países irmãos não podem mais viver no inferno, sustentando o paraíso da elite dominante este manifesto Quilombolivariano é a unificação e redenção dos ideais do grande líder Zumbi do Quilombo dos Palmares a 1º Republica feita por negros e índios iguais, sentimento este do grande líder libertador e construídor Simon Bolívar que em sua luta de liberdade e justiça das Américas se tornou um mártir vivo dentro desses ideais e princípios vamos lutar pelos nossos direitos e resgatar as histórias dos nossos heróis mártires como Che Guevara, o Gigante Oswaldão líder da Guerrilha do Araguaia. São dezenas de histórias que o Imperialismo e Ditadura esconderam. Há mais de 160 anos houve o Massacre de Porongos os lanceiros negros da Farroupilha o que aconteceu com as mulheres da praça de 1º de maio? O que aconteceu com diversos povos indígenas da nossa América Latina, o que aconteceu com tantos homens e mulheres que foram martirizados, por desejarem liberdade e justiça? Existem muitas barreiras uma ocultas e outras declaradamente que nos excluem dos conhecimentos gerais infelizmente o negro brasileiro não conhece a riqueza cultural social de um irmão Colombiano, Uruguaio, Argentina, Boliviana, Peruana, Venezuelano, Argentino, Porto-Riquenho ou Cubano. Há uma presença física e espiritual em nossa história os mesmos que nos cerceiam de nossos valores são os mesmos que atacam os estadistas Hugo Chávez e Evo Morales Ayma, não admitem que esses lideres de origem nativa e afro-descendente busquem e tomem a autonomia para seus iguais, são esses mesmos que no discriminam e que nos oprime de nossa liberdade de nossas expressões que não seculares, e sim milenares. Neste 1º de maio de diversas capitais e centenas de cidades e milhares de pessoas em sua maioria jovem afro-ameríndio descendente e simpatizante leram o manifesto Revolução
Quilombolivariana e bradaram Vivas! a Simon Bolívar Viva! Zumbi!Tupac Amaru!Benkos BiojoS!Negra Hipólita! Sepé Tiaraju Alicutan!Sabino! Elesbão!Luis Gama,Lima Barreto,Cosme Bento! José Leonardo Chirinos !Antônio Ruiz,El Falucho! João Grande e Pajeú ,João Candido! Almirante Negro!Patrice Lumumba!Viva Che! Viva Martin Luther King!Malcolm X!Viva Oswaldão Viva! Mandela Viva!Luiz I.Lula da Silva, Viva! Chávez, Vivas! a Evo Ayma!Rafael Correa! Fernando Lugo!José Mujica(El Pepe)! Viva! a União dos Povos Latinos afro-ameríndios,! 1º de maio,
Viva Dilma!Os Trabalhadores do Brasil e de todos os povos irmanados.
Movimento Revolucionário Socialista (Seja um,uma) QUILOMBOLIVARIANO
O maior blog de Chávez e Chavista das Américas
vivachavezviva.blogspot.com ** QUILOMBONNQ@BOL.COM.BR
Organização Negra Nacional Quilombo
O.N.N.Q. Brasil .Fundação 20/11/1970
Por Secretário Geral Antonio Jesus Silva"

Anônimo disse...

Violência contra negros cresce 132%. Mapa de Homicídios no Brasil divulgado, revela que nos últimos oito anos a desigualdade em relação as vitimas de violência aumentou muito. Mortes de brancos diminuíram. Jornal Metro, dia 30/11.

Waldimiro de Souza disse...

Meus irmão pesquisadores, tende paz muita paz, precisamos do seu apoio.

"Prefeito Ney Borges,
Parabéns pela sua eleição. Também a eleição para vereador do Zeca, meu sobrinho. Eu sei que o meu município e os nossos habitantes, não ha uma consciência que é um quilombo. Naquela reunião com a GRANFLOR que aconteceu em Mansidão, representada pelo Alexandre Araújo. o que pode-se perceber que ha nas grilagens de terra da Cachoeirinha e Fazenda Tapera. Fica claro, o consentimento das autoridades federal, estadual e Municipal do oeste da Bahia e sul do Piauí.
Meu irmão Ney, posso chamar de irmão, temos que estarmos unidos todas da região. Para um projeto que capacite individualmente a cada um no aproveitamento das suas terras, para criar uma cultura de cidadania e técnica para uso da terra. Sem a violência do grileiro, que as autoridades judiciaria seja comprometida, também, com respeito a conquista da cidadania do nosso povo. Sei que o governo da Dilma vai nos agradecer!... O nosso blog: onegronobrasil1980.blogspot.com põe-se em disposição do prefeito e do município. Juntos venceremos!"

Waldimiro de Souza disse...

http://onegronobrasil1980.blogspot.com.br/ está solidário com a professora Osmarina Barbosa de Oliveira. Enquanto as autoridades municipais, estaduais e federais apoia os grileiros, a população rural de maioria negra não tem o respeito a cidadania politica pelo voto que elegeu a todos. Não ha sensibilidade dos cargos, enquanto o governo federal faz propaganda da "orgia do comportamento humano", esquece da educação, dos direitos humanos, haja vita, o alastramento das drogas no pais inteiro sem o controle do estado. Tende paz, muita paz. Só o amor a virtude e a bondade de cada homem e cada mulher é capaz de contribuir para fazer desse país um grande país, como dizia Milton Santos de amor a vida e vivifica-la.

"SR PREFEITO NEY BORGES MANSIDÃO/BA
GRUPO ESCOLAR NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO-BURITIZINHO
Eu Diretora interina Osmarina Barbosa de Oliveira,juntamente com os demais pessoal da secretaria escolar.Viemos pedir para o senhor que comunica-se a secretaria de Educação que estamos com falta de um transporte escolar e falta de material de limpeza,merenda escolar e outros,tentamos ligar para secretaria de Educação daqui do Buritizinho e não conseguimos,como aqui já temos internet resolvemos lhe mandar essa mensagem daqui do Buritizinho.estaremos no aguardo.

AGRADECEMOS A COMPREENSÃO DA VOSSA EXCELÊNCIA." (Osmarina Barbosa de Oliveira)

Waldimiro de Souza disse...

A Bahia cantada em verso e prosa pelos cantores e compositores e a poesia da voz da Africa de Castro Alves, prêmio nobel de geografia Milton Santos, Ruy Barbosa, João Mangabeira, Anisio Teixeira e uma centena de contribuição da inteligencia brasileira, todos baianos. Agora, hoje são manchados por uma atitude de um governador insensível que externa pratica racistoide ate facistoide, desassociado da baianidade, o Governador Jacques Wagner, incentivando a pratica da política de grileiros no oeste baiano, contra a população ribeirinha, negra e pobre. Provocando a degradação das terras nos brejos, nas veredas, nas nascentes, nos afluentes e sub afluentes do velho chico. Governador que envergonha a Bahia.

Waldimiro de Souza disse...

Os varios discursos oficiais do executivo e do legislativo exaltando que a herança maldita da escravidão se extinguiu com a conquista dos direitos sociais dos trabalhadores domesticos. O Estado brasileiro tem uma herança de corrupção de transferencia de riqueza dos impostos pago pelos brasileiros vao parar nos paraisos fiscais via caixa 2 da contribuição das empresas que fazem obras no governo. O BNDES tambem faz parte do esquema via emprestimos vinculados de empresas estrangeiras que investem em infraestrutura no Brasil, parte desse dinheiro vai para o paraiso fiscal. A escravidao financeira continua, é um país muito rico com milhões morando na favela. 43% não tem esgoto nem água potável. Assassinato da população negra e jovem de 10 aos 29 anos de idade. Ao governo anunciar as pesquisas os seus agentes por meio do Estado Federal e federados e os meios de comunicações anunciam como algum brasileiro por ter notoriedade de cientista ganhasse o premio nobel de alguma coisa. A cultura brasileira é uma cultura facistoide e racistoide que não se envergonha dos seus mal feitos. O homem comum brasileiro como diz Milton Santos em sua vasta obras, é um aliado de bom proposito para salvar a nação e o Estado Brasileiro. Creio nas novas gerações, os jovens brasileiros num agir, num dedicar, no pesquisar, no estudar, no observar o potencial interior de cada um, envolvendo em varias dimensões, não só na altura na largura e na profundidade, mas sim, na pesquisa no conhecimento, buscando a sabedoria, preparando a inteligência para alertar os mais velhos, os cargos não bastam, precisa ser preparados para suas funções de gestores que o poder politico seja uma paz e harmonia entre a população e os que recebem a delegação do poder pelo voto, é a expressão da fonte de "água viva".

Waldimiro de Souza disse...

Os varios discursos oficiais do executivo e do legislativo exaltando que a herança maldita da escravidão se extinguiu com a conquista dos direitos sociais dos trabalhadores domesticos. O Estado brasileiro tem uma herança de corrupção de transferencia de riqueza dos impostos pago pelos brasileiros vao parar nos paraisos fiscais via caixa 2 da contribuição das empresas que fazem obras no governo. O BNDES tambem faz parte do esquema via emprestimos vinculados de empresas estrangeiras que investem em infraestrutura no Brasil, parte desse dinheiro vai para o paraiso fiscal. A escravidao financeira continua, é um país muito rico com milhões morando na favela. 43% não tem esgoto nem água potável. Assassinato da população negra e jovem de 10 aos 29 anos de idade. Ao governo anunciar as pesquisas os seus agentes por meio do Estado Federal e federados e os meios de comunicações anunciam como algum brasileiro por ter notoriedade de cientista ganhasse o premio nobel de alguma coisa. A cultura brasileira é uma cultura facistoide e racistoide que não se envergonha dos seus mal feitos. O homem comum brasileiro como diz Milton Santos em sua vasta obras, é um aliado de bom proposito para salvar a nação e o Estado Brasileiro. Creio nas novas gerações, os jovens brasileiros num agir, num dedicar, no pesquisar, no estudar, no observar o potencial interior de cada um, envolvendo em varias dimensões, não só na altura na largura e na profundidade, mas sim, na pesquisa no conhecimento, buscando a sabedoria, preparando a inteligência para alertar os mais velhos, os cargos não bastam, precisa ser preparados para suas funções de gestores que o poder politico seja uma paz e harmonia entre a população e os que recebem a delegação do poder pelo voto, é a expressão da fonte de "água viva".

Waldimiro de Souza disse...

Prefeito Ney fui ao ministério publico e fiz um requerimento ao procurador da republica sobre os acontecimentos da fazenda Tapera. A capacidade da grilagem que esta acima da lei e da constituição, a comarca de Santa Rita que abrange Mansidão, os cartórios acham que estão acima da lei e do corregedor cartorial do estado da Bahia. A população negra da Bahia esta sofrendo uma pratica racista mais violenta do que o navio negreiro, os grileiros são violentos contra essas populações que fazem parte da historia bonita da Bahia, e os grileiros recebem apoio da maioria da bancada estadual e federal alem da maioria dos prefeitos baianos, e hoje Barreiras é a sede do crime organizado da grilagem com o apoio de parte do agronegócio. Citaria três pessoas: Milton Santos, Rui Barbosa e Irma Dulce são exemplos da sociedade baiana e não a grilagem de terras, com todas as ameaças aos negros, aos ribeirinhos e aos pobres do oeste da Bahia.
https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xaf1/t1.0-9/10370422_328920453926462_7017958598552627012_n.jpg